Desequilíbrio emocional e saúde mental

O início de um novo ano traz com ele a renovação de esperanças e de projetos de vida. Rever os planos, traçar novas metas, e executar tudo isso é bastante difícil quando estamos repletos de tensões emocionais na vida pessoal e profissional. Todos os novos objetivos precisam de um estado de equilíbrio emocional para que sejam alcançados. É preciso que sentimentos, pensamentos e ideias estejam alinhados para que isso aconteça. 

 

Se normalmente o fim de ano costuma trazer uma tensão extra, neste momento de pandemia ela foi potencializada. E é neste cenário que a campanha Janeiro Branco se faz ainda mais necessária. Enquanto cuidar do corpo físico já é uma necessidade conhecida e adotada por grande parte da população, cuidar da mente ainda é um assunto permeado por preconceitos. 

 

Não é raro encontrarmos pessoas que tem um comportamento desproporcional em determinada situação, que explodem, tem pavio curto, que paralisam, sofrem ou se irritam com muita facilidade. Se este comportamento surge com uma frequência cada vez maior é muito provável que haja um desequilíbrio emocional. Mas se perguntarmos a estas pessoas se elas acreditam que precisam de uma ajuda para voltar ao seu eixo, uma terapia ou práticas de autocuidado para auxiliá-las a encarar as adversidades e as situações com maior leveza, é bastante comum que elas não enxerguem essa necessidade.

 

Por ter sido um tabu até aqui, por julgarmos que “é coisa de doido”, o cuidado com a saúde mental tem sido amplamente negligenciado. E se não estivermos atentos a este cuidado tão necessário seguimos como uma bomba prestes a explodir. O que isso significa? Significa que seguiremos comprometendo nossa qualidade de vida, seguiremos com dificuldade de alcançar nossos objetivos, dificuldade nos relacionamentos, e em pouco tempo teremos uma resposta física do organismo. Corpo e mente não se desconectam. Precisamos entender nossas emoções para lidar com elas do modo mais saudável. 

 

As ideias erradas a respeito da saúde mental, que associam este conceito à presença de uma doença fundamentada em exames físicos ou transtornos severos, nos impede de enxergarmos que o desequilíbrio emocional constante nos atrapalha em todos os setores da vida. 

 

Uma das ferramentas que podemos lançar mão em busca de equilíbrio emocional é a nossa alimentação. Existem alimentos que auxiliam trazendo os nutrientes que impactam na produção de hormônios como cortisol e adrenalina, relacionados ao estresse, ou ainda da serotonina, um neurotransmissor que atua no cérebro proporcionando a sensação de bem estar e bom humor.

 

Procure evitar alimentos como a cafeína, o álcool, doces, e o sal em excesso. E inclua em maior quantidade em suas refeições alimentos como arroz integral, algas, sementes, oleaginosas, chás e ervas específicas.

 

E esteja atento, se você tem “explodido” com frequência, se sente cansado, desanimado, tem tido problemas com o sono, dificuldade de concentração, irritabilidade e dores no corpo, procure uma ajuda profissional. Faz sentido cuidar da mente tanto quanto cuidar do corpo para não termos nenhuma doença.

× Como posso te ajudar?